Mobilidade dos pais com carrinho de bebê [Universo Baby]


por Patrícia Tabalipa

Um dos primeiros itens que os papais escolhem ao saber que estão grávidos é o carrinho do bebê. E hoje em dia cada vez mais modernos com diversas opções. Quando fiquei grávida ganhamos da vovó um que o bebê conforto encaixava no carrinho e em uma base que ficava fixa no carro, que achei o máximo! Eu usei muito, era meu meio de locomoção, onde ia, ia de carrinho: supermercado, padaria, verdureira, pediatra. Isso tudo porque esses locais ficam perto da minha casa e tinha como ir de carrinho. Mas no meio do caminho…

Até hoje ando com minha filha no carrinho, apesar de ela já estar quase completando 3 anos. Acho prático andar a pé pelo bairro e muitas vezes para ela é longe ir caminhando. Mas voltando ao meio do caminho… Muitas vezes encontro coisas que me deixam tristes e indignada, como cocô de cachorro! Acho que não tem o que comentar né? Eu não deixava a fralda de cocô da minha filha no meio da calçada! Então quem tem cachorro tem a obrigação de juntar a cáca do seu bichinho. SEMPRE tem algum na calçada, e olha que aqui no meu bairro não tem muito cachorro de rua. 

Então o cocô do cachorro atrapalha sim, pois estamos empurrando o carrinho e pluft! passamos em cima, argh, que nojo! Isso quando podemos andar na calçada. Muitas vezes tenho que ir para a rua pois o poste ficou bem no meio da calçada e o carrinho não passa. Ou estacionaram um carro em cima da calçada (oi?), ou simplesmente não tem calçada. Difícil né?
Mas mesmo assim, ando muito de carrinho, minha filha adora e muitas vezes é a forma que uso para ela dormir no meio da tarde nos finais de semana! 
Conversei com algumas mães através da nossa página e percebo que as dificuldades são parecidas. Segundo Valéria do Carmo, que mora em Barreiros, diz que andar pelo seu bairro é impossível, “calçadas estreitas com postes no meio sem espaço para passar o carrinho, buracos, calçadas ingrimes… etc, carrinho só no shopping, mesmo assim acho incômodo a distância e a localização dos elevadores”.  Já a Ana Cecília Coelho, tem uma menina de 19 meses e passeia de carrinho com a filhota 2 vezes ao dia pelo bairro e na praia!! Ela mora nos Ingleses e diz sua filha acorda e já pula sozinha para dentro do carrinho. Também usa o carrinho para ir ao supermercado e feira, e diz que não frequenta lugares fechado pois sua filha fica irritada. Certa ela né?

Já a Thaís Cardoso que mora perto da UFSC, diz que tentou andar com sua bebê de 2 meses, mas desistiu de sair com ela de carrinho! ” As calçadas são muito quebradas e ela ficou super assustada com o primeiro passeio. Além das calçadas quebradas e buracos, elas não são alinhadas e como tem morrinhos o pessoal da prefeitura que asfaltou as ruas transversais a Edu Vieira deixou mais altas que a calçada, e é um sone e desce louco!” Difícil assim né?  Já a Gisela Nozaki de Lima, que mora no Estreito, diz que tem os mesmos problemas: buracos, falta de calçadas em bom estado, cocô de cachorro! Quando a filhota dela começou a andar começou a fazer passeios a pé, mas as dificuldades persistem! Mas buscou uma alternativa :”quando o dia esta bem bonito e sem vento, vamos caminhar na Beira Mar continental”.

E a mamãe Sabrina Hilbert Espíndola, nos contou que quando sua filha era pequena também ia de carrinho, mas pelos repetidos motivos, agora que ela está maiorzinha, vai caminhando! E diz que a sua pequena adora usar aqueles carrinhos do supermercado!! 
Depois desses depoimentos fiquei pensando que muito se fala nas pessoas que usam cadeiras de rodas, do acesso que elas precisam ter. Isso deveria ser bem pensado, pois não seriam só os cadeirantes que utilizam rampas e locais de fácil acesso. Além de nós mães, com carrinho ou sem, que precisamos de locais seguros e fáceis de acessar, assim como as pessoas idosas e portadores de necessidades especiais. Os administradores das cidades deveriam começar nisso.
Em uma viagem que fiz quando a minha filha tinha 18 meses à Europa, andamos basicamente de ônibus e metrô e sempre ela no carrinho! Nos ônibus existiam locais para amarrar os carrinhos, os mesmos locais poderiam ser usados para cadeirantes, e os mesmos inclinavam para que pudéssemos entrar. Fazia muito frio e isso não era motivo para que nós e muitas outras pessoas não saíssem de casa com seus filhos, muitos deles bebês de carrinho! As pessoas respeitam e dão passagem a você por estar com carrinho de bebê. Aqui nunca ousei a ir para o centro de ônibus, pois só com minha filha no colo, o motorista não espera, imagina se estou com um carrinho! Sem contar que andar de carrinho de bebê no centro da cidade, não ia ser muito fácil… E se precisasse trocar a fralda?? Onde eu iria?? Pois não existem banheiros públicos com trocador, existem? Mas bem isso já é outro papo. Fica para outro dia. Beijos Patty
Tem dicas ou sugestões de tema para post? Nos envie um email, clique aqui!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s