O desenvolvimento da autoestima na criança [Colunista – Psicóloga]

A autoestima é a maneira pela qual a pessoa se sente em relação a si mesma, é o juizo que faz de si, é um autoconceito, o qual vem sendo construído desde os primeiros anos de vida.
Os pais são os primeiros espelhos para os filhos, e os reflexos positivos ou negativos que lhes transmitem são constituintes da sua personalidade e também da sua autoestima.
A criança nos primeiros anos estará absorvendo todos os gestos, sentimentos e ações à sua volta e os pais são sua principal influência, para o bem ou para o mal.
Com o crescimento e novas experiências, geralmente esse autoconceito vai se transformando, a criança vai reagindo, mas os aprendizados iniciais ficam armazenados na memória e se manifestam inconscientemente.
Para que a criança possa sentir-se adequada e bem interiormente, necessita de experiências de vida que lhe comprovem que tem valor e é digna de ser amada. Não basta apenas falar à criança que ela é especial, a vivência e a linguagem não verbal são componentes essenciais.
Atitudes que podem promover uma autoestima positiva na criança:
– desenvolver um clima relacional familiar harmonioso;
– ter coerência no discurso e em suas ações;
– respeitar a individualidade da criança, evitando as comparações positivas ou negativas;
– evitar a superproteção, pois a linguagem subliminar transmitida nestes casos é de incapacidade;
– os elogios excessivos podem torná-la insegura;
– mostrar apreciação ou adimiração pelas coisas que ela faz;
– destacar seus pontos fortes. A mente registra o que é comunicado repetitivamente;
– ouvir a criança e evitar críticas destrutivas;
Estas são apenas algumas formas de contribuir para a construção de uma autoestima saudável, mas o mais importante é ela sentir-se amada e respeitada pelo que é.
Sintomas que evidenciam uma autoestima negativa:
– insegurança;
– timidez;
– necessidade de chamar atenção a todo instante;
– depreciação de si mesma;
– dificuldade nos relacionamentos;
– medo do abandono ou de rejeição; entre outros.
“A autoestima está na esfera das emoções, e como nossas emoções são à base de tudo, se não houver uma estrutura emocional, não há relacionamento afetivo ou profissional que sobreviva. Experiências positivas que envolveram apoio mútuo, amor e compreensão propiciam o desenvolvimento da autoestima saudável, enquanto as negativas, como rejeição, abandono ou excesso de críticas, influenciam a autoestima de forma destrututiva.” Rosemeire Zago
Para uma vida saudável, é fundamental uma autoestima positiva. Isso reflete diretamente na nossa capacidade de lidar com os desafios no percurso de nossa existência. 
Verlane Puel
Psicóloga, CRP 12/000493
Mariana Effting de Sousa
Psicóloga, CRP 12/12595
Sugestões de leituras:
A autoestima do seu filho – Doroty Corkille Briggs
Pais & Filhos: uma relação delicada – Solange Maria Rosset
O livro da criança – Osho

Anahata Instituto de Desenvolvimento Humano – CRP 12/000023PJ
Avenida Elza Luchi, 143              Palhoça – SC             Fone: (48) 3242-1179

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s