Hoje não é quarta, mas é DIA DE FESTA! [ 1 ano do Roteiro Baby Floripa]

Já sabemos que o tempo voa. E acho que depois que temos um filho, o tempo voa e conseguimos ver o quanto! O bebê que só engatinhava já conversa e conta todo seu dia na escola… Pois é. E foi por causa dessa, que hoje não é mais um bebê que veio a ideia de escrever um blog! Pois só depois que entramos no mundo dos papais que sabemos que existe um universo paralelo. 

Bolsa, fralda, manta, mamadeira, água, brinquedos, carrinho…e isso é só o que precisamos carregar a mais. E quando vamos passear, será que podemos levar o bebê nesse local? É adequado para crianças? Vai ter comida para eles? E vamos conseguir comer sossegados? E se precisarmos levá-los ao banheiro? Vai ter trocador, ou um banheiro infantil, ou ainda um que o papai possa levá-los? Sim, um mundo de indagações surgem para um simples passeio.

E foi por isso que decidi criar um blog, para que os papais de Floripa, ou os que vem nos visitar, tivessem um local onde pudessem pesquisar onde ir, o que tem para fazer com as crianças, a programação infantil local, ter dicas de profissionais de saúde e dicas de mamães e papais como nós. Um lugar para trocarmos ideias, mesmo sabendo que existem uma infinidade de blogs maternos, mas esse é da nossa região.

E hoje o Roteiro Baby Floripa está completando 1 ano! Um ano de muitas descobertas, novas amizades, muitas realizações. Sabemos que ainda estamos engatinhando, mas com muitos novos projetos no papel, que esperamos realizá-los nesse próximo ano. 

Muito obrigada a todos que acreditaram e fizeram parte desse sonho, não vou citar nomes pois com certeza esqueceria de alguém! Familiares, amigos, conhecidos, novos-amigos, amigos-blogueiros, amigos-leitores… Muito obrigada a todos de coração. 

Beijos, Patty

 

Anúncios

Festa de Aniversário: o Convite dá a cara da festa [Dia de Festa]

por Juliana Cardoso e Jaqueline Pontes

O tema já foi escolhido, a decoração encaminhada, e agora é hora de convidar! E ai chegamos ao convite.
No convite procure mostrar como será a festa, o estilo e coloque tudo o que for necessário para dar o clima certo.
Em uma festa ao ar livre, onde teríamos tinta para as crianças pintarem, além do recado no convite que haveria sujeira, para as famílias com crianças mandamos um camisetão, que poderia ser pintado e usado na festa, evitando que as crianças sujassem suas roupas.
E se a grana está curta e não dá para gastar tanto, é possível personalizar a papelaria com detalhes simples mas que fazem toda a diferença. Uma velinha junto do número um, ou um formato diferente do convite, ou o convite preso em um delicioso pirulito.
E isso serve não só para festa infantil, para uma festa de 15 anos foi feito um lindo convite disco, o envelope era a capa, e o convite um LP.
Com o convite pronto hora de entregar.  Na hora de fazer a lista tenha sempre em mente o quanto se quer gastar, o número de convidados é o fator determinante. Contudo lembrem-se que quantos mais amiguinhos tiver na festa, mais divertida ela será!
Entregue o convite de um mês à quinze dias antes da festa. É importante dar um tempo para as pessoas se programarem, e para que possam confirmar.
Convidados, por favor, se tiver um telefone, ou email para confirmar NÃO ESQUEÇAM de ligar. E é muito feio confirmar e não aparecer. Caso apareça um imprevisto, que impossibilite a ida, mande uma mensagem ou ligue, mas avise!
E agora só esperar a festa começar.

Juliana Cardoso e Jaqueline Pontes, são festeiras by Corujjices!

MEDO DO ESCURO [PAPO DE MÃE]

Por Adriana Garcia

Sofia tem demostrado medo pelo escuro. Não vai de um cômodo ao outro sozinha se as luzes do mesmo estiverem apagadas. De início achei que era passageiro, que talvez ela tivesse tido algum sonho em dias anteriores ou assistido algo que tenha despertado esse medo todo. Não achei nenhuma explicação que me convencesse. Então comecei a pesquisar em livros para poder entender e ajudá-la. E encontrei uma matéria bem legal sobre o assunto, assim talvez eu possa ajudá-las em uma situação parecida. O livro fala que o medo, como todos os sentimentos, é útil e tem seu sentido, onde nos prepara para situações difíceis e protege dos perigos. Ele fala que todas as crianças têm medo de vez em quando. E que enquanto a sociedade espera dos meninos que eles não mostrem seus medos, as meninas podem fazê-lo. Por isso explicava que as meninas admitem ter medo mais facilmente que os meninos. Em uma pesquisa, foi observado que os pais desestimulam frequentemente as filhas pequenas, porque consideram certas atividades perigosas demais ou inadequadas para as meninas. Dizem muitas vezes para os meninos se defenderem, enquanto para as meninas é ensinado a aceitar as coisas e oprimir a agressividade. Portanto a raiva também tem sua função, ela nos ajuda a nos defender e encarar nossos desafios, dando-nos coragem. Segundo a autora, não é saudável oprimir a raiva, pois oprimindo mais cedo ou mais tarde ela se manifesta em formas de dores de barriga ou de cabeça, mas também em formas de medos! Porque os sentimentos ruins, quando não permitidos, inconscientemente retornam para nós como “monstros” ou “bicho-papão”. E para finalizar a autora dá uma ótima dica: conversar com a criança explicando o significado do medo e que entendemos que ela esteja sentindo-o, pois quando experimentamos alguma situação nova, esse sentimento pode surgir por isso ela precisa experimentar, pois só assim poderá superá-lo. Para quem se interessar e quiser saber mais, o nome do livro é: Criando Meninas, da psicóloga Gisela Preuschoff. Apliquei essas e outras dicas e Sofia está avançando aos poucos em relação ao seu medo do escuro, por isso achei interessante compartilhar com vocês.

Rouquidão na infância é normal? [Colunista – Fonoaudióloga]

 por Tatiane Maciel


Atenção pais, nenhuma rouquidão que persista por 15 dias deve ser considerada normal, caso isso aconteça a criança deve ser avaliada por um otorrinolaringologista.
A disfonia, popularmente conhecida por rouquidão, é um sinal de que algo diferente está acontecendo na garganta, especialmente nas pregas vocais. Existem pessoas que já nascem com a voz alterada, as chamadas alterações congênitas, ou a adquire ao longo da vida. Quando as crianças já nascem com alguma alteração, muitos pais têm dificuldade em identificá-la pelo fato dela sempre ter falado daquela forma e a considera normal. Por outro lado, crianças que têm o hábito de falar alto e/ou gritar com certa frequência e desenvolvem a rouquidão, podem fazer com que os pais também se acostumem que este padrão. Por isso a importância de ficarmos atentos à voz dos nossos filhos.
Outra causa da rouquidão são as alergias como bronquite, infecções na garganta ou aquelas que fazem a criança tossir e pigarrear. Esses fatores também exigem demais das pregas vocais, fazendo com que a criança não use a voz de forma adequada.
Os alvos mais freqüentes da rouquidão são as crianças de 5 a 10 anos, provavelmente por estarem ampliando o círculo de relacionamento ao entrar na escola, sendo o uso da voz mais solicitado. A proporção entre os sexos é de três meninos para uma menina. Acredita-se que a rouquidão está mais presente nos meninos por uma exigência social de um comportamento mais agressivo dos meninos e pelo fato de ser maioria em esportes que exigem um esforço maior da voz, como o futebol.
É muito importante cuidar da saúde vocal do seu filho, não deixe que essa rouquidão passe despercebida, após o diagnóstico feito pelo o otorrinolaringologista, o tratamento para a grande maioria dos casos de rouquidão é com fonoterapia.

MAMÃES E SEUS BOTÕES [Papo de Mãe]


 por Adriana Garcia


Outro dia, estávamos eu e Sofia conversando sobre os lugares legais para as crianças se divertirem e ela me disse: “Mamãe o BrincaMundi (um local cheio de brinquedos infantis como cama elástica, piscina de bolinhas e outros mais modernos) é tão pra criancinha né, acho que não vou mais, lá só tem brinquedinhos sem graça, o que você acha?” Na hora o botãozinho de “Ai Jesus” ligou. Minha filha de apenas seis anos já estava se achando uma pré-adolescente? Até onde eu sabia aquele lugar, (apesar das minhas críticas) era um lugar encantado na visão das crianças. Então respondi que se ela achasse que não se divertiria mais naquele local devido os brinquedos serem “só” para criancinhas, então ela não deveria tê-lo como opção de diversão. Isso foi a mais ou menos um mês atrás. Essa semana, ela chegou toda empolgada do colégio porque recebeu um convite de aniversário de uma amiguinha. Adivinhem onde? Pasmem! No querido e sonhado BrincaMundi! Sabia que ela estava radiante pelo convite da amiguinha, mas não entendi tamanha felicidade fora do normal, e perguntei a ela sobre o que havíamos conversado em relação ao local e ela me disse que o importante era estar com as amiguinhas e isso era mais divertido do que qualquer outra coisa. Mas sabia que não era somente o convite que tinha deixado ela assim, tão eufórica, e sim o local onde seria a festinha. Ela passou a semana toda só falando nisso. E até cogitou a possibilidade de fazer a sua festinha de aniversário lá também. Hoje pulou cedo da cama e a primeira coisa que falou foi, se já poderia se arrumar para ir a tal festinha! Para resumir a história, ela e as amiguinhas foram às 15h30min e saíram às 21h00min, e só saíram porque fechou, e saíram brabas porque não brincaram o suficiente! Sofia chegou em casa exausta, realizada, radiante, e contando os dias para seu aniversário chegar e poder brincar novamente no local. Eu fiquei me perguntando, e a conversa de um mês atrás? “Os brinquedos daquele local não eram tão para criancinhas?” Foi ai que outro botãozinho ligou o de “incentivo”. As crianças às vezes parecem ser movidas a estímulos, o local do dia para noite passou a ter outro valor porque foi “aprovado pelas amiguinhas”. Engraçado isso: Crianças, e suas referências! Mas que bom serem ainda crianças, e poderem ter suas boas referências.

O QUE REALMENTE É SÓ NOSSO? [Papo de Mãe]

Por Adriana Garcia
Tenho observado que cada vez mais vou perdendo minhas coisas. Perdendo e não tendo de volta. Se não perco, estou dividindo. O fato é que minhas coisas aos poucos vão deixando de ser somente minhas. Porque será? Você tem crianças ou adolescentes em casa? Então provavelmente você sabe do que estou falando. Primeiro, tive que dividir meu esposo, naturalmente tive que deixá-lo ser pai também. E olha que Sofia o disputa comigo o tempo todo! Se não o perdi, pelo menos 90% do tempo dele pertence a ela e 10% sobra pra quem? Depois o apartamento, os espaços quase que totalmente eram destinados a quem? A ela, claro. Onde íamos colocar a bicicleta, o patinete, a moto, a mesinha com cadeiras, e toda aquela tralha que não cabe no quarto da criança? Meus cachecóis e meus esmaltes parecem ter vidas próprias. Eles saem das gavetas sozinhos e encontram o quarto dela num passe de mágica, e ninguém os levou, ela jura que não mexeu em nada! As minhas maquiagens então, não existem mais cores definidas, as sombras e blushs estão um carnaval, a mistura é tanta quem não tenho mais coragem de usar. Mas ficam ali “a disposição” para as brincadeiras em casa. Isso até ela encontrar as novas que estão escondidas. Minhas canetas e lápis da faculdade? Só canetas sem tampa e toco de lápis. Quando compro novos, eles saem do meu estojo antes mesmo de chegarem à sala de aula, como isso? Ninguém explica. Só sei que foram substituídos por tocos e canetas velhas quase que não escrevendo mais. E no fim das contas quando tudo isso ocorre e a bronca rola solta, surge um rostinho triste pedindo desculpas e dizendo que só queria suas coisas porque você possui as coisas mais lindas do mundo e quando ela crescer quer ter tudo igual a você. E aí, o que fazer? Derreto-me! A sensação de ser admirada por minha filha é incalculável, e só me resta perguntar: “Quando nos tornamos mãe, o que realmente é só nosso”?

Trauma dental: o que fazer? [Colunista – Odontopediatra]

por Daiana Hahn

Seu filho caiu e machucou a boca! E agora o que fazer?
Manter a calma e agir rápido é super importante!
à Primeiro limpar a região com água ou soro para poder avaliar a extensão do problema;
à Se houver sangramento, devemos fazer a hemostasia, isto é, fazer compressão (aperto) com gaze, fralda ou toalha até parar.
à Se o dente tiver fraturado (quebrado) ou não estiver na boca procurar pelo pedaço quebrado ou dente inteiro, lavar e colocar em um recipiente com leite, soro ou água e;
à Levar imediatamente à odontopediatra que fará o atendimento de urgência. É muito importante que a dentista examine a criança o mais rápido possível, pois pode haver necessidade de reposicionamento de dentes deslocados, proteção do nervo pulpar ou até mesmo suturas (pontos). Esse intervalo de tempo fará diferença, pois quanto mais rápido for tratado maiores são as chances de ser recuperado.
à Todo traumatismo deve ser acompanhado pela odontopediatra com exames clínicos e radiográficos, pois podem ocorrer complicações decorrentes do trauma e que se diagnosticada precocemente previne problemas maiores. Há casos que mesmo sendo um pequeno trauma nos dentes de leite podem provocar injuria e morte no nervo do dente (polpa dental) e que se não tratado provoca lesões nas raízes e parte óssea prejudicando o germe do dente permanente.
Espero ter ajudado!! 

Influências [Papo de Mãe]


por Adriana Garcia

Sofia ainda assiste programas infantis para a idade dela, e particularmente a um canal que a maioria das amiguinhas passam longe por acharem que o canal refere-se a programas para bebês. Cuido para que ela não assista á novelas ou programas fora da sua faixa etária. Acho que criança na idade dela não possui maturidade e discernimento suficiente para alguns programas que passam na TV. A minha preocupação e o fato de eu estar sempre atenta em relação a isso, é que acredito que o comportamento das crianças muitas vezes esta ligado ao que elas vivenciam. E sempre repito que, quanto mais tempo eu puder prorrogar a infância da minha filha, mais eu farei. Então não gostaria que ela pulasse ou adiantasse rápido demais as fases, e sim vivenciasse cada uma no seu tempo certo. Mas que tempo é esse? Elas estão cada vez mais adiantadas, e parecem já acordarem pela manhã diferentes da noite anterior em que foram dormir. Brinquedos até então, não me preocupavam em relação a influências porque ela estava tendo acesso aos que eu considero tranqüilos, normais e não me causavam inquietação. Até aparecer às bonecas Monster High na vida da Sofia. Todas as amigas tinham as tais bonecas, roupas, acessórios, e tudo o mais que um marketing utiliza. Assisti aos desenhos para estar por dentro do que seria esta febre, e para minha surpresa, conclui que elas estariam mais voltadas ao público adolescente. Adiei o acesso dela as bonecas o máximo que pude. Até Sofia ser convidada para uma festinha onde o tema era a tal boneca. Todas as meninas da sala de aula iriam fantasiadas, e como não poderia ser diferente, ela não sossegou enquanto não ganhou a fantasia para ir à festa. De lá pra cá, ela se encantou e começou a sua coleção. E eu? De lá pra cá de cabelo em pé. Porém noto que as outras mamis são muito tranqüilas em relação a estas bonecas, então me pergunto se não estou sendo neurótica demais. Por outro lado, Sofia tem apenas seis anos, e é uma criança e não uma adolescente!  Tarefa complicada essa, de lutar contra esse mundo moderno e suas influências! E você? Já ficou indagada com algum brinquedo que julgava não compatível com a idade de seu filho? 

Dormir na Cama dos Pais Pode? [Papo de Mãe]

por Adriana Garcia

Quando Sofia era bebê, dormia em seu quartinho durante toda a noite.Tínhamos babá eletrônica com câmera e isso me tranqüilizava. Ela foi crescendo e às vezes tinha pesadelos e acordava chorando muito, então começamos a colocá-la para dormir em nossa cama. Um detalhe importante: tivemos que arrumar outra solução como casal para podermos namorar e termos nossa privacidade, menos no nosso quarto! E criatividade é o que não falta!

Mesmo curtindo cada carinho, cada dormida gostosa com ela, sabemos que muitos são os motivos para ela já estar dormindo em seu quarto. E como mãe, tenho consciência do quanto isso pode nos tornar dependentes. Porém sei que não demora muito e ela mesma vai querer seu próprio espaço. Quando vem uma amiguinha dormir em casa, elas dormem tranquilamente no quarto dela (e há um tempo, ela nem cogitava essa hipótese!). Porém basta a amiguinha ir embora e lá estamos nós três dividindo a mesma cama! Sofia se acostumou, e nós também. Como retomar essa transição? Preciso de ajuda!  E agora? 

Creme dental com ou sem flúor? [Colunista]


por Daiana Hahn

       Andando pelo supermercado ou pela farmácia encontramos várias opções de pastas dentais… Barney, Barbie, Tandy, Homem Aranha, Galinha Pintadinha, Cocoricó, Lilica e Tigor, enfim várias pastas, mas afinal qual é a mais indicada para o seu filho?

Depende de qual faixa etária ele se encontra:
Até os 4 anos de idade o recomendado é um creme dental sem flúor, pois nessa faixa etária a criança ingere a pasta durante a escovação, e se a pasta conter flúor e for ingerida diariamente pode provocar manchas nos dentes permanentes que estão em formação, as chamadas manchas de fluorose dental (que aparecem como listras brancas até castanhas e pode haver perda de estrutura). Como exemplo destas pastas dentais temos Malvatrikids baby sem flúor, Cocoricó sem flúor, Galinha pintadinha sem flúor.

Após os 4 anos de idade e como uma fase de transferência para a pasta com flúor é bom ter cautela, pois podem escapar algumas engolidas até a criança estar bem adaptada. O ideal nessa fase é escolher pastas com uma quantidade intermediária de flúor (500ppm de Flúor), como exemplo temos a pasta do Barney, da Lilica e do Tigor bambinos 2, da Hotwells bambinos 2. E por precaução o indicado é usá-las até os 6 anos.

Após os 6 anos de idade e como a criança está bem adaptada e a formação dos dentes permanentes bem adiantada estão liberadas as pastas dentais com mais quantidade de flúor (entre 750 ppm e 1100 ppm), nesse caso inclui os cremes da Barbie, Homem Aranha, Tandy, entre outros

Espero ter ajudado!